Crónica “InShape”: Não há desculpas! – Episódio: “Treinei nas escadas do meu prédio e não me importei com o que os vizinhos podiam pensar”

Crónica “InShape”: Não há desculpas! – Episódio: “Treinei nas escadas do meu prédio e não me importei com o que os vizinhos podiam pensar”
Crónica "InShape": Não há desculpas! - Episódio: "Treinei nas escadas do meu prédio e não me importei com o que os vizinhos podiam pensar"

Não comecem já a rir que isto é verdade, verdadeira, verdadinha.
Tinha sido uma semana atípica de trabalho. Não consegui treinar as vezes que queria, com a intensidade que precisava e não podia deixar passar o sábado para “zerar” as contas com a balança.

Acordei motivada, com um objectivo, pensei: vou equipar-me, vou correr, depois vou fazer treinos de velocidade, depois salto à corda, complemento com um circuito funcional ao ar-livre (como gosto) e termino com uma série de abdominais. Boa, tenho um plano! Let’s do this!

Levantei a persiana e… estava o vendaval, o dilúvio, o temporal, o Apocalipse na rua. What?!?! Como assim?! Que boicote-fit é este?! E agora? Não podia ir ao ginásio, porque estava a mais de 42km do mesmo (era um pouco insano embarcar nessa viagem), não podia treinar lá fora porque ia ser absolutamente ridículo… Só se, só se… só se utilizar as escadas do prédio e o patamar comum para treinar. Oh Yeah!

Sem medos nem vergonhas, calcei os ténis, pus a música a bombar e adaptei o treino à envolvente. Fiz cinco séries de subidas de escadas até ao 10º andar, intervaladas com saltar à corda durante pelo menos 5 minutos. Utilizei o corrimão das escadas para trabalhar braços e os degraus para criar uma inclinação corporal que me permitisse fazer pranchas e climbers. Nos intervalos da chuva ainda fiz burpees no patamar intermédio e terminei tudo com uma série de abdominais, já em casa, com um colchão de yoga que tenho para o efeito.

Crónica "InShape": Não há desculpas! - Episódio: "Treinei nas escadas do meu prédio e não me importei com o que os vizinhos podiam pensar"

Et voilá!

Claro que nos entretantos ainda dei de caras com alguns vizinhos que primeiro olharam para mim e acharam que eu era a louca-do-exercício-físico, mas depois da estupefacção veio a admiração. Houve casais que saíram de casa naquele momento e pude ver que as senhoritas estavam num misto de “ai que horror, olha-me esta” com “mas deixa-me cá ver o que ela está a fazer para copiar em casa”. Pumbas!
O que interessa é a intenção e a naturalidade com que assumimos as coisas. Eu sorri e continuei a fazer o meu treino como se nada se passasse. Uma pessoa que gosta de fazer exercício, não está bom na rua, treina-se em casa. Ponto.

Amigas, esta é a prova de que não há desculpas. Não há mesmo! Fiz este treino em casa. Não gastei um tostão. Treinei todos os músculos que sabia e conhecia. Suei como não acontece na Academia. Não demorei mais do que 45 minutos neste circuito e estava logo em casa para tomar um banhinho quentinho, vestir uma roupinha lavada e a seguir atirar-me para o sofá. Querem melhor que isto? Não há!

É por isso que não podemos vacilar. Sabemos que é fácil, com o tempo cinzentão e com chuva, ceder ao cansaço da semana e não ir treinar. Só que o corpo não perdoa e aquele quadrado de chocolate não se vai embora, nem aquele pastel de nata que comemos com o cafezinho à hora do almoço se esvai sem foco, determinação e consistência.

Que a minha vergonha e cara de pau vos tenha servido de exemplo para não baixarmos e braços e mexermos o rabo que daqui a nada estamos a enfardar azevias no Natal e a pensar no Verão de 2016. Capiche?!

Seguir:
Marta Neves
Marta Neves

Encontrei no universo feminino a minha missão: partilhar, aprender e ajudar. Nasceu o Marta Neves, para me sentir mais eu, mais em sintonia com a minha essência. Despida de formalismos ou preconceitos, serei EU. A mulher. Apaixonada de coração pela vida e pelos outros.

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.