Crónica “InShape”: Uma mulher não se mede aos músculos

Crónica “InShape”: Uma mulher não se mede aos músculos
  Crónica "InShape": Uma mulher não se mede aos músculos

Inspirei-me para escrever a crónica desta semana depois de ter lido um artigo numa publicação internacional sobre o fenómeno Serena Williams.
Para quem não sabe a Serena é uma tenista norte-americana de 33 anos que é considerada, actualmente, pela Associação Feminina de Ténis como a número 1 do mundo de simples. Com o término do U.S Open, Serena conquistou quatro dos maiores campeonatos do calendário anual de ténis, passando a ser a maior tenista feminina de todo o sempre, e sem grandes contestações, a maior atleta feminina da sua geração.

Contudo, durante toda a sua carreira, ela foi alvo de duras criticas por ser considerada “demasiado musculada” e por conseguinte pouco feminina para o mundo do ténis. Aliás, muitos são os que acreditam que o seu sucesso foi maioritariamente “construído” (build), se é que me estão a perceber. De acordo com o artigo, estas constantes críticas começaram a constranger Serena, que começou a sentir-se cada vez mais desconfortável com o seu corpo, admitindo que muitas vezes, contra o conselho do treinador, evitou usar pesos de forma a minimizar o look “musculado” ou “more cut”, como referiu.

Crónica "InShape": Uma mulher não se mede aos músculos

Foi precisamente este o parágrafo do artigo que me ficou marcado. Vamos parar para pensar neste assunto. Serena, que desde 1995 é tenista profissional, ama jogar ténis, tem como ambição ganhar e ser a melhor do mundo, espartilha as suas potencialidades, prejudica a sua performance em nome de uma suposta imagem generalizada que pensa ter que perpetrar para ser aceite. O que é que está aqui mal? TUDO, digo eu! Ela é uma atleta, faz parte do trabalho dela levantar pesos para ser a melhor, porque é que isso a diminui enquanto mulher? Não pode. E não é só porque ela é atleta! Pode ser qualquer mulher cujo objectivo passe por ter um corpo semelhante e, em todos estes casos, a sua feminilidade não pode ser ameaçada por tal.

Crónica "InShape": Uma mulher não se mede aos músculos

Uma mulher é uma mulher, porque é mulher. Ponto. Nada mais há ou pode ser dito em contrário. Não existe nenhum silogismo que o possa contestar. Senão, uma mulher é menos mulher por usar calças? E aquelas que têm que usar farda? Porque lhes retiramos género na sua função e na sua felicidade, como se ser mulher se definisse pelos músculos, pela roupa ou pelo corte de cabelo? O argumento de que as mulheres mais musculadas deixam de parecer mulheres tem que morrer aqui.

Da mesmo forma como as mulheres que fazem bodybulding têm que parar de receber criticas. Como as mulheres que nadam têm que parar de ser alvo de escárnio. Como as mulheres que fazem crossfit têm que parar de ser uma mira para os julgamentos.
Temos que acabar com este estereótipo. Temos que redefinir esta imagem que nos impede se sermos quem queremos ser, conquistar o que nos está reservado, ter o corpo que nos faz felizes.

Crónica "InShape": Uma mulher não se mede aos músculos

Por isso levantemos pesos se o nosso treinador acha que isso é melhor para nós. Façamos agachamentos se queremos ter umas pernas bonitas. “Pranchemos” até à morte se isso nos fizer os abdominais com que sempre sonhámos. Somos mulheres. Somos femininas. E ninguém, só porque tem uma concepção de corpo diferente, nos vai dizer o contrário.

Querem saber as melhores noticias? 

Serena Williams deixou de ouvir as criticas. Aceitou o seu corpo tal como ele é. Começou a fazer pesos como o seu treinador queria. Vai ser a melhor tenista de sempre. Namora com o Drake (só para sambar na cara das inimigas). E vai posar para o famoso (e muito picante) calendário Pirelli… but naked!!! Vale a pena dizer mais alguma coisa?! You go girl!! És uma inspiração para qualquer mulher, porque uma mulher não se mede aos músculos!!

Crónica "InShape": Uma mulher não se mede aos músculos

Seguir:
Marta Neves
Marta Neves

Encontrei no universo feminino a minha missão: partilhar, aprender e ajudar. Nasceu o Marta Neves, para me sentir mais eu, mais em sintonia com a minha essência. Despida de formalismos ou preconceitos, serei EU. A mulher. Apaixonada de coração pela vida e pelos outros.

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.