Make it a December to remember

Make it a December to remember
Make it a December to remember

Hoje cheira finalmente a Natal cá em casa!!!!!
Wwwwwweeeeeeeeeeeee!!
Só para que saibam eu AMO o NATAL! É das festas que mais gosto de celebrar. Amo tudo no Natal: a comida, as cores, as luzes, as lareiras, o frio, a música, o sentimento fraterno e de bondade que se vive, a partilha entre amigos e desconhecidos, e, acima de tudo, o convívio familiar. A.D.O.R.O!

E hoje o natal chegou a nossa casa! De mansinho, com pequenos apontamentos simbólicos, tornámos a nossa casa um verdadeiro santuário natalício e acolhedor.
Os lençóis polares já estão na cama para aquecer os meus, sempre, gelados presuntos.
A árvore foi montada com todo o preceito e tradição. O Senhor-lá-de-Casa foi buscá-la à garagem, onde aguarda todo o ano para sair à cena e brilhar. Ajudou-me a montá-la, colocou as luzes e depois é a minha vez de entrar em acção para fazer magia. Há música natalícia aos berros a tocar. Dançamos que nem uns parvos pela sala (MESMO parvos, acreditem) e fazemos coreografias ridículas, com os enfeites da árvore e com os galhos do pinheiro.

Este ano tive finalmente o presépio que andava a namorar há imensoooo tempo. Eu sou daquelas pessoas que Natal não é Natal sem presépio. Mas, isto de ter um ateu cá em casa tem as suas particularidades. Tive que lhe explicar por A + B porque é que queria aquele presépio. Ahahah! Mas aos poucos estou a convertê-lo, tenho a certeza.
O presépio desejado é aquele que é composto pelas figuras principais em matrioskas. É do mais fofo que pode existir. Até improvisei uma cabaninha muito shiny, muito disco fever para a família sagrada.

Desta vez, quis fazer uma árvore muito tradicional, em tons de dourado e vermelho. Fui buscar muitos apontamentos diferentes à Área, como laços vermelhos, estrelas, bolas diferentes, uns pais-natais muito giros, uns carrosséis brancos e, lá piéce de lá resistence, uns bambis tão fofos, mas tãoo fofos que me apetece comê-los (Marta, menos!). Montei, também, ao lado uma estrela de chão do Ikea com luz. Et Voilá… estamos prontos para receber o Natal.

E a Concha, perguntam vocês?!
Pois é, sendo este o primeiro Natal dela, e o primeiro dela cá em casa, tivemos muito tempo a tentar decidir que estratégia deveríamos adoptar. Se montar a árvore quando um de nós a fosse passear e quando chegasse a casa tinha a revelação, ou se montávamos o pinheiro com ela a ver tudo para começarmos logo a treinar os “nãos” e ela habituar-se ao novo corpo estranho da sala. Optámos pela segunda opção. Depois de muito cheirar, de muito tentar perceber na sua condição canina “que raio era aquilo”, fez algumas investidas devidamente acompanhadas de “nãos” sucessivos que fizeram com que rapidamente perdesse o interesse na árvore. Ainda tentou abocanhar o Jesus do presépio, mas foi assim a única coisa pior que aconteceu (eu não vos digo que estou rodeada de não-crentes, cá em casa?!). Acho que ela não é lá muito natalícia, mas a ver vamos que ainda só passaram umas horas. Agora… se a deixássemos aqui sozinha na sala uma tarde, logo teríamos assunto (e imagens) para mostrar no blog. M.E.D.O

E vocês o que fizeram? Como decoraram as vossas casas? Como é que costumam viver esta quadra tão especial?
Contem-me tudo, não me escondam nada!
Peace out.
HO HO HO (tinha que escrever isto, desculpem).

Seguir:
Marta Neves
Marta Neves

Encontrei no universo feminino a minha missão: partilhar, aprender e ajudar. Nasceu o Marta Neves, para me sentir mais eu, mais em sintonia com a minha essência. Despida de formalismos ou preconceitos, serei EU. A mulher. Apaixonada de coração pela vida e pelos outros.

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.