Não piroparás a mulher do próximo!

Não piroparás a mulher do próximo!
Não piroparás a mulher do próximo!

Está a correr meio mundo através dos jornais e das redes sociais:
“Piropos já são crime e dão pena de prisão até três anos”, pode ler-se no Diário de Notícias. A alteração ao Código Penal de Agosto quase que passou despercebida, mas hoje sabemos que “propostas sexuais” não desejadas dão prisão até 3 anos, por proposta do PSD. Trata-se de um aditamento ao artigo 170º do Código Penal, o qual já criminalizava o exibicionismo e os “contactos de natureza sexual”, vulgo “apalpões”.  Blá-blá-blá-wiskas-squetas…

Terminado o enquadramento jurídico e o contexto político só me apraz dizer que morreu hoje o mais sincero e, muitas vezes, necessário massajar-de-ego-urbano que nos era permitido nestes dias de loucura digital e alienamento pessoal.

Quem é que no seu perfeito juízo achou que era de maior pertinência perder-se tempo com isto, discutir este porMENOR, levar até às últimas instâncias uma coisa que é inofensiva? Oi? Inofensiva?… já sei que haverão muitas pessoas, mulheres, que se insurgirão contra esta afirmação, mas não acredito é que NÃO ACREDITO MESMO que haja uma mulher num bad-hair-day que tenha passado por um local público e perante o ouvido alheio tenha levando com um “jóia, anda cá ao ourives” e depois de ter ensaiado o ar incrédulo que faz pela frente, não tenha virado costas e sorrido pu’dentro. D.U.V.I.D.O!!!!!!

Quem não gosta é porque nunca levou com nenhum, salvo seja!
É aqui que se me afinfam os aros dos meus soutiens feministas. Já aqui disse, por diversas vezes, que não vão encontrar ninguém que goste mais de ser mulher, que tenha mais orgulho em ser mulher, que defenda tanto os direitos das mulheres como EU. Mas também já o afirmei que não sou feminista, sou feminina, na condição desigual, diferente, venusiana e orgulhosa que a palavra detém. E por ser assim tão defensora é que sinto que estas bandeiras do pseudo-feminismo que se detém nestas minudências gramaticais menores não exaltam a nossa dignidade só sublinham aquilo que mais odeio – que precisam de nos proteger. Ta’hell!!!

A esta nova lei eu digo: e se nos começássemos a defender? Não preciso de uma lei que me diga que não mereço pioropos. Mereço (mereçemos) sim! Quero os meus piropos de volta, se faz favor.
E quando algum ferir a minha integridade feminina arranco logo um “É a tua tia!” ou um “Vai tu”! Porque isso sim é tratar de igual para igual, é dar ao outro a resposta àquilo que nos deu.
Defendam-se mulheres, não criem estas leis ridículas!!
Piroparem também! Faz bem à alma e à autoestima.

Seguir:
Marta Neves
Marta Neves

Encontrei no universo feminino a minha missão: partilhar, aprender e ajudar. Nasceu o Marta Neves, para me sentir mais eu, mais em sintonia com a minha essência. Despida de formalismos ou preconceitos, serei EU. A mulher. Apaixonada de coração pela vida e pelos outros.

Share:

2 Comments

  1. Janeiro, 2016 / 8:14 pm

    É uma lei muito parva que já entrou em vigor:a democracia pelos vistos só existe para alguns e talvez um dia virem todos muçulmanos…muito triste,esta gente vai chegar a velha e sentir falta de ouvir piropos e elogios que elevem a auto-estima,não sabem mesmo valorizar o que têm!

  2. Janeiro, 2016 / 8:14 pm

    É uma lei muito parva que já entrou em vigor:a democracia pelos vistos só existe para alguns e talvez um dia virem todos muçulmanos…muito triste,esta gente vai chegar a velha e sentir falta de ouvir piropos e elogios que elevem a auto-estima,não sabem mesmo valorizar o que têm!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.