Crónica “New in Town”: “She´s a Maniac, maniac on the…” não sei!

Crónica “New in Town”: “She´s a Maniac, maniac on the…” não sei!
Crónica "New in Town": "She´s a Maniac, maniac on the..." não sei!

A propósito da crónica anterior, sobre a minha participação no espectáculo final da Jazzy e no privilégio de dançar num Coliseu esgotado, queria pesquisar umas musiquetas inspiracionais para me ajudar na semana de preparação para o show, quando escrevo o nome de uma música no espaço de pesquisa do Youtube – “She’s a Maniac” da banda sonora do filme Flashdance– e eis que me surge na barra direita da página toda uma selecção de músicas, baseada naquela pesquisa. Atención: uma (v)pessoas coloca no Youtuber a música “Maniac” e quais são as sugestões da plataforma-amiga? Quais?! Somente a melhor playlist-revival-dançante-de-todo-o-sempre:

– Queen – I Want To Break FreeFame
– Remember My NameFootloose
– Kenny LogginsDirty Dancing
– Hungry EyesBonnie Tyler
– I Need a HeroLaura Branigan
– Self ControlRobert Palmer
– Addicted To LoveGeorge Michael
– Freedom!George Michael
– Too FunkyGeorge Michael – Faith
– Madonna – Vogue
-Wham! – Everything She Wants
-A-ha – Take On Me
-Tina Turner – Simply The Best
– Fire Inc – Nowhere Fast
– I will survive – Gloria Gaynor
– Bad Case of Loving You — Robert Palmer

Louquíssima da minha vida, decidi picar em cada uma delas só para me recordar dos primeiros acordes. Não consegui parar. É frenético. Viciante. Conhecemos tão bem aquelas músicas e as suas letras que é muito difícil parar. Quem nunca, não é?! Vai daí my mind started to wander… Porque é que não temos mais sítios para sair à noite em Lisboa (ou arredores) que tenham uma playlist mais ecléctica, com músicas que saibamos cantar? Onde é que estão estes sítios? Por favor, iluminem-me! Existem? Onde? Quem? Como? Nomes?
Sem ser no Plateu, que essa dica é fácil demais.

É que imaginem: um sítio onde só passam as músicas que nós não conseguimos parar de dançar. Uma espécie de versão melhorada da pista de dança do casamento mais fixe do nosso melhor amigo. Estão a visualizar? E não precisa de ser o cliché de passar só músicas dos anos 80 (que já ninguém aguenta esse chavão temático). Não! Estou a falar do conceito de dançar e cantar ao mesmo tempo. Para onde é que isso foi parar? Quando é que se decidiu que o que era cool era não cantar e dançar ao mesmo tempo? Desculpem, mas não recebi esse email.

Queremos pax de deux na pista de dança com direito a jogar de cabelo e slow acompanhado. Desejamos bad dance moves pintados com caretas e gestos embaraçosos, porque… who CARES?!. Desejamos ser pedidas para dançar aquela música que nos faz ir às lágrimas, com a nossa crush de verão. Estou certa ou estou errada (gesto de Senhorzinho Malta)? Damn right, que estou certa! Porque é que acham que as festas africanas e de kizomba estão à pinha? Sim, este género musical está na moda, mas eu acredito que é mais do que isso. As pessoas querem cantar e dançar ao mesmo tempo. As pessoas redescobriram o prazer de dançar acompanhadas. Voltámos a desejar ser pedidas para dançar uma dirty-dance pelos Patrick-Swayze-estilosos-da-Vida.

So, “Give it to me, baby”.Ah-ha. Ah-ha! Inundem-me com comentários, sugestões, ideias ou até um convite para uma festa assim. Vou estar atenta! Enquanto isso vou fazer um CD (sim, eu ainda sou do tempo de fazer um CD para as férias do verão). Tirem as perneiras do armário e a calça de lycra, porque, it’s going DOWN! “Get down On It. Get Down on It”. Opah, estão a ver, não consigo parar…

Seguir:
Marta Neves
Marta Neves

Encontrei no universo feminino a minha missão: partilhar, aprender e ajudar. Nasceu o Marta Neves, para me sentir mais eu, mais em sintonia com a minha essência. Despida de formalismos ou preconceitos, serei EU. A mulher. Apaixonada de coração pela vida e pelos outros.

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.