20 anos (sem) Mamonas Assassinas

20 anos (sem) Mamonas Assassinas
20 anos (sem) Mamonas Assassinas

Nem queria acreditar quando hoje li uma noticia que dava conta deste “aniversário” tão triste e, ao mesmo tempo, tão longínquo.

Por favor, tutte la femme e tutte la garçon que não saibam do que estou a falar, sem desprimor ou desrespeito, abandonem este blogue. QUEM NÃO SE LEMBRA DOS MAMONAS ASSASSINAS??! Um dos maiores fenómenos da música brasileira a invadir o nosso país na bombada década de 90!!? Imaginem o elenco da “Porta dos Fundos”, mas em banda brasileira de rock cómico. Capicharam!? Tinham aquele furor, aquela sensação que nos fazia querer saber todas as letras de cor (e sabíamos) e passar em loop a cassete no leitor velho lá de casa.

Corria o ano de 1995 quando ouvimos pela primeira vez esta banda formada em Guarulhos (1990). A influência era claramente uma mistura de punk rock com forró, em Jumento Celestino, com brega, em Bois Don’t Cry, com heavy metal, em Débil Metal, com pagode, em Lá vem o Alemão, com musica mexicana, em Pelados em Santos, com reggae, com Onon Onon, com vira e sertanejo, em Uma Arlinda Mulher, e por aqui poderíamos continuar.

Triste saber que a banda sensação-e-promessa do Brasil durou apenas 1 ano. 1 ANO!!??! Já imaginaram? Onde estariam hoje? Que tipo de música estariam a fazer?
A infelicidade ditou que apenas um álbum fosse lançado (1995), porém com um sucesso meteórico. O grupo vendeu em apenas 7 meses mais de 3 milhões de cópias só no Brasil. UAU!

Lembro-me perfeitamente de cantar de trás para a frente e de frente para trás todas as músicas do álbum e de isso ser algo cool que trazíamos para o intervalo das 10h na escola, especialmente a minha deixa preferida “money, que é good nós não have”… que intemporal, diria!

Porém, em Março de 1996, no auge da carreira (já se sonhava com uma vinda da banda a Portugal), um acidente aéreo fatal vitimou todos os elementos da banda.
Agora imaginem a banda sensação do momento vitimada numa só estucada, num só momento, num só golpe do destino, de uma só vez. Num momento faziam as nossas delícias, noutro “gone forever”. Foi choque. Lembro-me perfeitamente disso ter dominado as nossas conversas de intervalo e as nossas compras da Bravo.

Para quem quiser fazer uma viagem pela “memory lane” pode sempre aceder ao Spotify, que hoje fez uma homenagem aos Mamonas Assassinas com um serviço de streaming que permite aceder a uma playlist da banda e exibirá, durante o dia de hoje, trechos de músicas no browser. #FICAADICA

Passem por lá para matar saudades do Sabão Cra-Cra e do Robocop Gay, enquanto fazem um “roda, roda e vira, solta a roda e vem” do mais tocado single da banda Vira-Vira.

Bateu nostalgia por aqui.

Seguir:
Marta Neves
Marta Neves

Encontrei no universo feminino a minha missão: partilhar, aprender e ajudar. Nasceu o Marta Neves, para me sentir mais eu, mais em sintonia com a minha essência. Despida de formalismos ou preconceitos, serei EU. A mulher. Apaixonada de coração pela vida e pelos outros.

Share:

1 Comment

  1. Março, 2016 / 4:32 pm

    NÃO DEIXA OS CABELOS DO SACO ENROLÁAAAA!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.