Home is where your Antropologie is

Home is where your Antropologie is
 Home is where your Antropologie is

Ai ai ai (suspiros vários…)…
Anthropologie… Anthropologie… Anthropologie…
Porque é que não existes em Portugal? Ainda bem que não existes em Portugal, senão ia, claramente, à falência em menos de dois meses.

Não sei se aconteceu com vocês, mas quando temos a nossa casinha ela passa a ser uma das nossas prioridades. Pelo menos comigo aconteceu isso. Se numa fase da minha vida adulta eu investia em mim – viagens, roupa, maquilhagem, sapatos, malas – num sem fim de bens materiais e futilidades (porque podia na altura), quando passamos a ter a nossa casinha o foco muda. 

Já não compramos um par de calças, compramos duas almofadas. Já não vamos naquela viagem mais cara no verão, porque tivemos que comprar a mobília toda do quarto. Já não utilizamos o subsídio de Natal para grandes presentes, porque tivemos que comprar um sofá. Em bom português, a casa é e torna-se uma outra renda e, para quem gosta de decoração e pira em novos acessórios para a casa, acaba por ser uma nova forma de gastar dinheiro e uma tentação de consumo. 

Assumo. Tenho dito. Disse. 

O João já sabe. Não pode deixar-me entrar na área, na Zara Home, no Ikea, no Leroy Merlin, na Casa, na Loja do Gato Preto, N.A.D.A. Sempre que lá entro para matar horas ou lamber montras quero sempre fazer grandes renovações à nossa casinha. É uma tentação! 

Ai que podíamos mudar de cama. Ai que podíamos mudar a cor dos cortinados. Ai acho que precisamos de mais um conjunto de pratos para quando vai lá a família toda. Aqui que ninguém nos ouve, ele já me fez um ultimato. Já me leu a sentença da decoração: “Se entra mais um prato ou almofada nesta casa, tem que sair outra em igual proporção”. Ppppppfffffff… Não percebem nada, pah! Raios’partam os homens, pah! Sempre a boicotar. Sempre a boicotar! 

Mas se com estas lojas tão próximas de nós já fica difícil controlar o impulso-da-almofada, quanto mais quando escrevemos na barra de pesquisa do Google-amigo a palavra “Anthropologie”. Aí é que não há salvação. 

Eu A.D.O.R.O esta marca, quer em termos de produtos de decoração, quer em roupa ou outros acessórios. Tem aquele look and feel artesal, boho-chique-descontraído. Estão a capichar!? Cada objecto samba na minha cara. Cada tapete roça na minha compulsão. Cada colcha quer deitar-se comigo. Que há a fazer?!! NADA. Simplesmente NADA que aquilo é caro comó’à putaça, mas ficamo-nos pela inspiração e pelas tendências que ditam. 

Não sei se resulta com vocês, mas comigo, sempre que entro nestes sites mais caros, controlo-me (porque não posso comprar) e tiro ideias, guardo fotografias, faço mood boards mentais que servem de inspirações para versões mais low coast made by me. 

Por isso, já estou aqui a compilar umas inspirações para dar um UP de mudança de estação à nossa crib e dar as boas-vindas ao tempo mais quente e cheio de sol. 

Façam aí um “check it out” nas minhas inspirações. Que me dizem? Estou no bom caminho?
E vocês? Que outros sites de decoração vos inspiram? Partilhem aqui!!!! 

Home is where your Antropologie is

Home is where your Antropologie is

Home is where your Antropologie is

Home is where your Antropologie is

Home is where your Antropologie is

Home is where your Antropologie is

Home is where your Antropologie is

Home is where your Antropologie is

Home is where your Antropologie is

Home is where your Antropologie is

Seguir:
Marta Neves
Marta Neves

Encontrei no universo feminino a minha missão: partilhar, aprender e ajudar. Nasceu o Marta Neves, para me sentir mais eu, mais em sintonia com a minha essência. Despida de formalismos ou preconceitos, serei EU. A mulher. Apaixonada de coração pela vida e pelos outros.

Share:

1 Comment

  1. Maio, 2016 / 11:41 am

    Isso aconteceu muito comigo. Adoro lojas de decoração, o que vale é que por aqui tirando a Zara Home não há nada exclusivamente dedicado ao assunto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.