“We Are All Heroes 2016”: Show Final. Mais um Ano de muita dança, purpurinas, saltos altos e suor

“We Are All Heroes 2016”: Show Final. Mais um Ano de muita dança, purpurinas, saltos altos e suor
"We Are All Heroes 2016": Show Final. Mais um Ano de muita dança, purpurinas, saltos altos e suor

Ufa! Desculpem a minha ausência, mas estou em modo coma-profundo-adormecido-pelo-calor-e-cansaço-extremo.

Ainda me dói tudo…
Sei que escrito desta maneira não soa nada bem, mas acreditem, there is PAIN neste lado do ecrã.

Domingo, 24 de Julho, às 21h30 aconteceu magia no meu pequeno coração de aspirante a bailarina-wannabe. Aconteceu mais um espectáculo final da Jazzy Dance Studios, a minha família dançante que me acolheu há já 4 anos.

4 anos?!?!?! A sério?!?!?! Estas datas e estes marcos matam-me. Fazem-me achar que tudo passa demasiado rápido, que se vive demasiado depressa, que se dança muito pouco para as horas que nos são dadas.

Depois de uma passagem pelo Coliseu, no ano passado, regressámos à casa-mãe de espectáculos, regressámos ao Tivoli para mandar a casa a baixo. Não é pedido menos que isso da escola de dança mais famosa e maravilhosa do país. E que orgulho pertencer a esta família…

Os ensaios foram muitos, até muitoooo tarde. As semanas foram vividas em verdadeiros countdowns nervosos. Os dias iam passando e os ensaios intensificando. Tentar conciliar tudo isto com o trabalho, uma casa, vida pessoal, vida social, blogue, gravações e edições de vídeos é D.O.S.E.

A melhor/PIOR parte foi mesmo o convite de última hora para participar no Extreme Workout Solidário a favor da União Zoófila que aconteceu debaixo de um calor-do-além no sábado, véspera do espectáculo, com um fim-de-semana que foi absolutamente caótico. Mas sobre isso irei contar-vos por imagens tudo o que se passou (gota de suor).

Tanto latim para dizer que quando no domingo acordei para me despachar para estar no Tivoli bem cedo para o ensaio corrido ia MORRENDO!!!!! Não sentia as minhas pernas, as coxas tinham falecido, o meu bumbum… bem… paz-à-sua-alma, os braços não conseguia esticá-los e só pensei estou lixada com “F”. E o calor?!?!?!??! Alguém quer falar sobre isso?!?! Não?!?! Bem me parecia. 

Cheguei ao Tivoli a cambalear, tentei manter-me activa e com um sorriso nos lábios entre todos os ensaios para não morrer de cansaço em palco e as horas avançavam sem piedade até ao momento do show.

Já com todos nas catacumbas dos camarins, perdidos entre maquilhagem, cheiro a laca, sons de saltos, contagens de tempos musicais, ficámos em telepatia a contar, literalmente, os minutos para começarmos o espectáculos, para vivermos aquele pico de adrenalina como se fosse a primeira vez. 

É droga para a alma. É emoção para o corpo. É para isso que vivemos todos os anos, para aquele momento em que chamam por nós, subimos as escadas, aguardamos silenciosos na boca do palco pela saída do número anterior e nos posicionamos em blackout para arrasar.

Demos tudo! Afinal, tínhamos esgotado o Tivoli e os presentes não mereciam menos do que o melhor! Esqueci a dor nas pernas, a dificuldade em mexer o corpo e o cansaço acumulado. Era para ser, era para ser grande. E foi!

Foi bom. Foi maravilhoso. Foi memorável. Foi mais um momento que vou guardar bem juntinho ao coração, pelas pessoas, pelas minhas companheiras de purpurinas, saltos-altos, gargalhadas e devaneios. Pela Venda Gameiro, bailarina-fetiche, melhor pessoa do mundo, coreógrafa extraordinária. Pela escola que nos eleva a estatuto de estrelas por um dia.

E o Tivoli foi nosso! Até para o ano! 
(se conseguir ressuscitar até lá…)

We are all dancers. We are all Jazzy <3

Porque quem dança vê mais para além das diferenças, vê a paixão, a liberdade e a vontade de seres tu mesmo! Porque na dança não interessa a cor de pele, religião ou orientação sexual. É por isso que dizemos ONE JAZZY! Professor ou aluno, iniciado ou avançado…dançar é para todos, dançar é na Jazzy! #ONEJAZZY 
Seguir:
Marta Neves
Marta Neves

Encontrei no universo feminino a minha missão: partilhar, aprender e ajudar. Nasceu o Marta Neves, para me sentir mais eu, mais em sintonia com a minha essência. Despida de formalismos ou preconceitos, serei EU. A mulher. Apaixonada de coração pela vida e pelos outros.

Share:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.